A união faz a força (ou por que eu parei de usar sutiã)

Está meio difícil (#semprefoi) ler as notícias hoje em dia. Eu confesso que tenho ficado horrorizada com as meninas sendo estupradas no Brasil, um estuprador sendo absolvido nos EUA e escravas sexuais sendo queimadas em praça pública no Iraque, tudo isso na mesma semana. Brabeira pesada...eu sei.

Mas eu não estou aqui para falar disso. Estou aqui para falar sobre um aspecto micro dessa cultura do estupro, da desvalorização do corpo e da importância das mulheres. Estou aqui para falar sobre uma parte que compõem esse todo. Estou aqui para falar sobre mamilos.

Mamilos são muito polêmicos. Disso já sabemos. Se você é mulher, sabe que não é totalmente aceitável andar na rua sem sutiã. Sabe que não é apropriado usar uma roupa na qual dê para ver a protuberância dos seus mamilos. Sabe que se for sair na rua sem sutiã vai receber mais olhares, comentários e estranhamento. Que se encontrar pessoas conhecidas, ou até mesmo familiares seus, vai se sentir desconfortável e exposta. Oi? Por que, Brasil?

Nós somos mulheres, mamíferos e temos mamas. E essas mamas têm mamilos. Porque uma parte natural do nosso corpo causa tanto estranhamento? Eu não posso usar sutiã com aro de metal por uma questão médica. Desde que descobri isso, sempre tive enorme dificuldade em achar sutiã sem aro e com bojo. Para quê? Disfarçar meus mamilos e fingir que eles não existem.

Dentro desse cenário muito louco algumas escolas têm se visto no direito de pedir para alunas que venham para a escola obrigatoriamente usando sutiã.

No caso mais recente aqui nos EUA, uma jovem foi pra escola com uma blusa preta sem sutiã, mas usando adesivos para cobrir os mamilos. O diretor da escola chamou ela para um papo dizendo que um dos professores estava desconfortável com o fato dela estar sem sutiã, e que ela precisava achar alguma coisa para se cobrir.

Por que uma menina deveria ser obrigada a usar essa peça? Por que nós mulheres temos que nos adaptar ao incômo que os homens sentem sem nenhuma razão bem fundamentada? Dá uma olhada na roupa que a Kaitlyn Juvik tava usando no dito dia.

O legal dessa história é que várias pessoas apoiaram a Kaitlyn, que começou uma página na internet chamada No Bra No Problem. E não foram só as meninas...os rapazes da escola também mostraram seu apoio, usando sutiãs por cima da blusa deles como forma de protesto. E a causa viralizou pela internet, gerando mais e mais apoio.

Tem um outro movimento dessa vertente, o Free The Nipple, que luta por igualdade de gêneros que também tem ecoado no mundo todo.

Eu tento não usar mais sutiã. É mais confortável, é mais prático, é melhor pra minha saúde. É uma contínua tentativa porque tem algumas situações das quais eu não consigo escapar. E por que eu acho isso relevante? Porque é uma micro forma de resistência. Porque nossos corpos são hiper-sexualizados diariamente e depois culpados pelos impulsos sexuais e irracionais dos outros. E porque eu acho que é mais um tema dentro do grande assunto "feminismo" que todos juntos precisamos encarar - do mesmo jeito que fizeram nessa escola.

#mexeucomumamexeucomtodas
#meucorpominhasregras
#freethenipple